Seguro residencial: coberturas e vantagens que valem a pena.

P_20170721_081305_1_BF
Matheus Coelho Corretor de Seguros (Amaral Seg)

Apesar de ser muito importante, o ramo de seguro residencial ainda é motivo de muitas dúvidas e questionamentos.

É sabido por todos que a principal finalidade desse tipo de seguro é proteger um dos maiores patrimônios dos clientes: sua residência. Mas, você sabe quais são as coberturas desse tipo de seguro?  O que de fato está protegido após a contratação: apenas o imóvel ou os objetos que se encontram ali?

Quando pensamos em seguro de residência, a primeira cobertura que nos vêm à mente é, na maioria das vezes, a de incêndio. Porém, há uma enorme gama de assistências e benefícios que contemplam os imóveis assegurados.

Além da cobertura contra incêndio, ficam protegidos, dependendo da apólice contratada, os bens materiais contidos no imóvel, além de possíveis estragos e perdas causados por raio, explosão, danos elétricos, vendaval, roubo/furto, responsabilidade civil e entre outros.

A responsabilidade civil é uma cobertura que garante ressarcimento a possíveis danos causados a terceiros quando estes estão, de alguma forma, sob responsabilidade do segurado. Por exemplo: se seu cachorro escapa da casa e machuca alguém ou se a reforma que você realizou no seu apartamento afetou a casa do vizinho, a seguradora se responsabiliza pelos pagamentos devidos.

Essas tantas coberturas que podem ser contratadas são ainda acrescidas de assistências valiosas e que não necessariamente acarretam aumento no valor do seguro. Variadas, elas abrangem limpeza de caixa d´água, chaveiro, encanador, eletricista, limpeza de ar condicionado e outras.

Troque suas incertezas por segurança e tranquilidade. Procure um corretor de sua confiança e realize uma cotação. Vale a pena!

Texto por Matheus Coelho

Perfil do consumidor de imóveis: o que o público procura no mercado?

Conhecer bem seu público é uma etapa absolutamente fundamental para qualquer tipo de venda. E é claro que no mercado imobiliário não seria diferente. Pense bem: é necessário conhecer as características dos compradores para trabalhar tanto seu marketing como suas vendas de maneira assertiva, aumentando assim as chances de fechar novos negócios. Que tal pegar um atalho e já conferir agora mesmo um resumo de como se comporta o consumidor de imóveis brasileiro? Então acompanhe nosso post de hoje!

retrato-de-um-jovem-trabalhando-na-mesa-com-laptop_1163-2110

Qual o perfil do consumidor de imóveis atual?
Vamos nos esquecer por um minuto do cenário econômico atual e falar sobre a regra e não sobre a exceção, ok? Aí o que se apresenta é o seguinte: com a ascensão econômica experimentada na última década, os brasileiros passaram a comprar seus imóveis cada vez mais cedo. Atualmente, portanto, o comprador médio de imóveis está na casa dos 30 anos — bem diferente do passado, quando a idade média ficava por volta dos 40 anos.

No topo da lista das prioridades com relação aos imóveis em si está uma boa localização. Dessa forma, não veem problema em optar por um espaço reduzido, desde que isso signifique perder menos tempo com sua locomoção diária. Em geral, os compradores começam suas buscas por imóveis maiores, mas assim que conhecem os preços acabam optando por espaços mais compactos.

Pesquisas apontam que mais de 75% dos clientes imobiliários têm alto de grau de escolaridade, cerca de metade desse público é solteiro, mais de 50% tem ao menos 1 filho e mais de 40% deles ganha mais de 10 mil reais. Além do mais, o financiamento continua sendo sua modalidade de pagamento preferida.

E que atendimento esse consumidor procura?
Para se adequar ao perfil do consumidor de imóveis brasileiro atual, as imobiliárias e os corretores precisam se atentar a alguns pontos fundamentais:

Devem ter imóveis disponíveis próximos às medidas procuradas;
Estar informados sobre o mercado;
Oferecer um atendimento personalizado de excelência.
Para alavancar a venda e o aluguel de imóveis, é preciso, antes de mais nada, ter o que o público procura em seu catálogo. Estima-se que, em média, o consumidor brasileiro busca imóveis com pouco mais de 70 metros quadrados e 2 quartos. Isso significa que se você focar sua captação em apartamentos com essas características, suas chances de fechar novos negócios devem aumentar consideravelmente.

Como já citamos logo ali acima, outro ponto importante é estar informado e ser capacitado para atender os clientes da melhor maneira possível. Como grande parte das pessoas que compra imóveis no Brasil tem um alto grau de escolaridade e uma boa condição financeira, trazer informações pertinentes sobre o mercado e conversar de igual para igual com esse público é fundamental para passar credibilidade e autoridade no assunto. Com isso, o cliente adquire segurança na transação, tornando-se bem mais propenso a bater o martelo.

Agora que você compreendeu melhor qual é o perfil do consumidor de imóveis brasileiro e entendeu o que esse público procura no mercado imobiliário, ficou muito mais fácil desenvolver um trabalho de qualidade, não é mesmo? Esses pontos certamente o ajudarão a realizar um trabalho mais assertivo e fechar muito mais negócios!

Vale ressaltar a importância de profissionalizar o seu trabalho utilizando um bom CRM imobiliário, como o inGaia Corretor, onde você faz toda a gestão de seus clientes e imóveis, além de contar com um site especializado para atrair leads e aumentar suas vendas.

Fonte